réu confessa

by 00:44



    Há muito tempo conversei com meu namorado a respeito do quanto eu desejava mudar o meu modo de escrita no blog e transformá-lo como se fosse um diário de jornada, ele gostou da ideia, fiquei mais animada etc, mas advinha o que aconteceu? Procrastinei. Esqueci. E joguei onde sempre jogo todas as minhas coisas na caixa perdida no tempo e espaço. O que seria essa caixa perdida no tempo e espaço? Duvido muito que você não as conheça, são caixas que funcionam como compartilhamento da vida, a caixa onde joguei o plano de ter um blog de jornada foi a dos "planos adiados", e também na caixa da "frustração/não vai dar certo" (em meu imaginário possuo várias caixas) Minha mente é uma loucura, e desde já confesso-me como acumuladora, não de objetos em si (as vezes, afinal de contas sou uma "futura" professora, amo acumular umas anotações em papéis), mas de situações e as minhas preferidas são: acumular livros para ler, problemas nas relações diárias, desistências no meio da jornada, achar que algo vai dar errado e por isso nem tentar, adiar para depois quem sabe dar certo.. "Afinal, ainda não é o tempo" (isso pode acontecer de verdade, mas a maioria das coisas que uso essa justificativa amigos, é sem noção/base de nada). Enfim, sinto que Deus chamou minha atenção e me fez olhar para a bagunça que a minha vida está. E é constragedor como eu deixei tudo tão solto nela.

  Nesse exato momento estou me sentido um pouco sufocada por meus próprios pensamentos. O meu maior problema é que posso até começar a fazer algo, mas nunca p e r m a n e ç o, e quando dou a louca (como agora) às vezes quero abraçar o mundo de uma vez por todas e falar: A PARTIR DE HOJE VOU MUDAR, igual a dieta, sabe? Inclusive nunca consegui fazer uma dieta se quer na minha vida. Atualmente vivo num determinado ponto que não consigo mais iniciar nada, e nem confio mais na minha palavra de "o que vou fazer" porque respondo a mim mesma que não tenho forças para tal ato. Não sei se você reconhece as minhas palavras em seu cotidiano - talvez sim, talvez não - mas isso tudo causa um impacto do tamanho do mundo todo. Viver sem acreditar em si mesma é um completo desastre. Entendo que preciso confiar em Deus, pois quando não consigo Ele consegue, contudo há tempos que são tão dramáticos e intensos que não oro, não leio a Bíblia, não fico nEle (entende quando digo que há um impacto em todas as áreas na minha vida?). 

  Eu amo, a-m-o mesmo um filme chamado Julie & Julia, é o tipo de filme doce que dá enjoo, o tipo de filme que Bruno assiste com dificuldades e que eu fico com um lencinho enxugando as lágrimas (o lenço é só para construir uma imagem mental, limpo as lágrimas na mão grande mesmo!). Durante o filme, Julie tenta não desistir de tudo quando está insatisfeita com a sua vida, e o seu marido da a ideia de um blog, onde ela faz uma desafio de 524 receitas durante um ano - com resenha de todas as receitas no site no dia seguinte após o experimento. Há uma cena que Julie deitada na cama chorando, recebe uma ligação da sua mãe (mãe esta que dá aqueles esporros que não ajuda muito) que relembra o quanto ela nunca termina nada que começa, de como aos 30 anos não conseguiu finalizar nada, e que até do seu blog que estava indo bem sente as pernas vacilar em conflito do continuar ou desistir. Quase sempre me sinto assim

  Estou decidida a abrir o meu coração. Pensei em excluir esse blog e criar outro, com outro nome etc - até porque quando estamos animadas a mudar surte uma tendência de sair fazendo tudo novo - mas as vezes precisamos permanecer no velho, o velho dói e nos faz lembrarmos das nossas fraquezas, e promessas não cumpridas, mas o velho possui o nome de "Voo da Fênix" e nesse período tudo que eu preciso é renascer das cinzas (entendo que não irei renascer só, não faço nada só, minha força por ela mesma é vã.), por isso preciso permanecer e dar a continuidade a este espaço. Esse diário de jornada - que não será sobre viagens (Oh Cristo! Quem sabe, né?! hahah), que não é sobre culinária, fotografia, leitura (apesar deu querer muito que fosse apenas sobre essas coisas acima). O blog é principalmente sobre a vida de uma pecadora, é sobre tudo que eu posso oferecer atualmente: a minha escrita. São sobre coisas ruins e como não sei me encaixar, e como sou diferente, estranha ou não sei. Não há promessas que apartir de hoje não vou desistir de nada, não há promessas de nada - não sei se estou pronta a refaze-las. Quero apagar esse texto todo.   De coração aberto não quero tomar forma de vida de instagram, por mais que eu busque...  Ter uma qualidade fotográfica no blog (seria esse meu sonho?) porque ainda não tenho a câmera, por enquanto ainda teremos fotos via pinterest, we♥it e outros lugares que amo! Aqui não é nada de outras blogueiras, porque sou eu! (escrevo para aceitar este fato). Aqui não pode ser somente o desejo frustrado de uma vida perfeita, mas sim a vida real.

Dou o que tenho. Dou palavras. Escrevo porque permanece, e a mente é fraca, logo escrevo tudo que tenho e quero, e devo voltar a fazer. Não sei se ainda é o mesmo voo, mas é a mesma (??) fênix.



Observação: fiquei um tanto arrasada quando soube que esse texto, se parece com esse:http://fenix-es.blogspot.com.br/2016/03/sernix.html, mas podemos dizer que foi uma continuidade? sim, podemos.
   

Obrigada Espírito Santo





Com rugas

by 11:05
Estou atrasada
- de novo
mas recebi visitas
e decidir parar,
foi o silêncio
foi o espaço vazio
foi a realidade
me pondo sentada
me deixando encabulada
me pondo no meu lugar.

São as lembranças perdidas
e a minha inércia vivida,
convivida,
passiva.
Perdi,
deixei passar
deixei de amar
me fiz de ingênua
e depois estátua
agora,
agora tá difícil de andar.

Quanto mais o tic
faz tac
mais atrasada fico
mas aqui a poesia
registro como um ofício
o silêncio declara
o que o riso abafou,
o silêncio declara:
- O que fiz com o meu tempo, Senhor?


- Obrigada Espírito Santo - 


Geração perdida

by 23:27



   Tenho lido mais blogs ultimamente, um que gosto bastante é o da Francine, Graça em Flor, o outro comecei a ler essa semana que é o da Karina, ambos fizeram aumentar a minha paixão por fotografia, não somente fotos minimalistas, ou de casamentos, mas agora Fotografia em período de guerra, principalmente as fotos que expressam o sentimento do povo durante o conflito - isso me desperta. Essa semana a Ultimato postou sobre a Guerra da Síria e como a mesma atinge as crianças, aquilo me tocou, pensei "Vou falar sobre isso no blog" - mas são tantas informações que acabo me esquecendo -  abri o facebook ontem e outro texto falando sobre Guerra da Síria e crianças então: lembrei de novo. Hoje foquei (Oh! Aleluia!) fui em busca de fotografias de sírios para sacudir a nossa mente de alguma forma, pra que seja um alarme que nos perturbe, nos tire da comodidade e venhamos pensar: isso tá errado! 

O fotógrafo não apenas tirou as fotos, mas, também, escutou as histórias dessas crianças, Magnus Wennman representa em sua arte o nó da garganta a respeito das crianças Sírias que dormem nos portões da fronteira do país que representa a esperança. 

Abdullah, 5 anos, Belgrado, Sérvia 


where-children-sleep-syrian-refugee-crisis-photography-magnus-wennman-4

 Abdullah tem uma doença no sangue e segundo a sua mãe ele tem pesadelos toda noite, pois está  em choque após ter visto a sua irmã morrer na casa deles em Daraa. 

Shehd, 7 anos. 

where-children-sleep-syrian-refugee-crisis-photography-magnus-wennman-12

Ela que sempre amou desenhar, passou a desenhar armas, ela via tudo em todo o momento. Depois de sua família virar refugiada não houve se quer mais papel para desenhar. 

Walaa, 5 years old, Dar-El-Ias

where-children-sleep-syrian-refugee-crisis-photography-magnus-wennman-3

Walaa, uma criança síria de 5 anos, chora todas as noites onde dorme, no campo de refugiados, sua mãe frequentemente constrói uma casa de travesseiros para "protege-la" e ensinar que não tem o  temer.


Essas não são as primeiras fotos de sírios que vejo, essas são mais algumas no meu baú - e agora cravados no blog - para me perturbar. Essas crianças são como os nossos filhos, sobrinhos, netos, somos nós alguns anos atrás perdendo seu tempo de criança. Imagina para uma mãe ver seus filhos brigarem e ouvindo as suas palavras de ódio, um para o outro dizendo: eu vou decapitar você! ou ver a sua menina, a Shehd que amava desenhar - como eu! - mas que já não rabisca uma boneca, a casinha e a família, mas armas por todo lado, porque era somente essa a visão que tinha. A guerra na Síria essa semana fez 5 anos e cerca de 8,4 milhões de crianças nesse país estão sendo atingidas, cerca de 80% da população infantil. 

A TV não mostra isso.  

A guerra da Síria não começa e termina quando há um ataque a países europeus, ou ao EUA. Acontece uma Guerra há 5 anos, mas não nos cabe pensar que a crise dos refugiados tem matado, destruído e desolado as famílias - olha o olhar dessas crianças! Não nos cabe pensar que as crianças que ainda estão na Síria estejam se alimentando de Capim - teoricamente, porque as vezes come veneno, sem querer -, que os hospitais de lá estão 100% incompatíveis para cuidar de alguém, cada vez é mais comum morrer por doenças que poderiam rapidamente serem tratadas, como: raiva, problema de digestão, doença de pele. E na falta de curativos famílias andam sob os escombros em busca de restos de panos para fazer um curativa, e pra finalizar a fumaça das bombas causam problemas respiratórios a elas.

Você se importa com isso? 

O índice da idade das crianças que se envolviam nas guerras era de 15 anos para cima, mas esse numero fora reduzido a algum tempo, pois elas tem sido recrutadas para fabricar bombas, irem para guerra, e as meninas são obrigadas a casar para ajudar a situação da família, cada vez mais cedo perdendo a sua infância - assim como muitas perderam partes de seu corpo -, a Unicef deu o nome de "Geração Perdida".  A respeito da alimentação a matemática da comida não tem dado conta, as doações que chegam lá não tem suprido, crianças andam perambulando desnorteadas de fomes, e algumas, que tem de cinco anos para baixo, não sabem o que é maçã e outros tipos de alimentos, há uma extrema desnutrição por lá.

Houve uma ruptura muito grande na vida deles e eu fico tentando imaginar suas famílias, seus antigos hobbies, o que pensam quando veem aquela nuvem de fumaça cobrindo a janela ou quando sentem a voz dos pais trêmulas, mas com aquele tom de segurança "Vai ficar tudo bem!", no entanto nunca vou conseguir pensar nisso, só consigo olhar o olhar delas e me perder e pensar "Pra onde será que ela tá olhando? E o ela vê?" Eis a minha curiosidade, a BBC divulgou um vídeo onde as crianças falam sobre a guerra, não consegui postar diretamente, mas aqui está o link, acaba que expressando o lado delas.

É complicado, para mim, finalizar o texto, o que posso dizer? Só quero pedir uma coisa: não esqueça da existência dessas crianças - de toda a população Síria, mas hoje o foco vai para os pequeninos. Sim, entendo que o Brasil sofre crises de segurança e que possuímos, também, uma guerra, que vivemos em alto perigo, mas nessa semana como um memorial por esses 5 anos prontuosos o nosso texto é focado neles. 

Por favor, não se esqueça. 

No seu luto por essa causa vá a luta.

ORE! 


Mude seu dia ao lembrar da Síria e sua batalha. 

Se envolva com a causa.

Pesquise mais sobre eles - a mídia esquece, mas a internet é livre.

Só não esqueça deles. 

ORE
FALE 
VÁ! 

Mas não se esqueça deles - e Daquele que te chamou. Penso que assim como lá no Êxodo e o clamor do povo que chegou ao Senhor, assim também é nos tempos de hoje: Ele tem visto esse povo e os lamentos por eles, e deles, Deus não esquece. Mas nós precisamos ir - orando, espalhando, motivando, indo.

"Erga a voz em favor dos que não podem defender-se, seja o defensor de todos os desamparados."Provérbios 31:8 (NVI)

Aqui me despeço - espero voltar a falar de outras formas sobre esse assunto, fica ligado na página do blog e aqui também! ok? Até a próxima.
Maranata. 
Misericórida, 
Senhor.
Obrigada Espírito Santo.



REFERÊNCIAS

http://g1.globo.com/jornal-nacional/noticia/2016/01/criancas-famintas-na-siria-vao-receber-ajuda-humanitaria.html

http://www.ultimato.com.br/conteudo/guerra-na-siria-completa-5-anos-e-afeta-mais-de-8-milhoes-de-criancas

https://www.unicef.pt/siria/apelo_criancas_sirias.html

http://childrenofsyria.info/

http://www.boredpanda.com/where-children-sleep-syrian-refugee-crisis-photography-magnus-wennman/ (FOTOS COMPLETA  DAS CRIANÇAS SÍRIA DORMINDO)

http://www.bbc.com/portuguese/noticias/2016/03/160315_vale_este_siria_criancas_tg

Você pode ter acesso a fotos como essas no instagram do fotógrafo, e também no site que colocarei nas referências - lá há a ordem das histórias e tal, o único problema é que é em língua inglesa. 

instagram.com/magnuswennman/



Técnica de Pomodoro

by 22:31
  O assunto hoje é bem diferente, é uma dica do dia-a-dia que tenho aprendido, a Técnica de Pomodoro, sempre tem a primeira vez para algo novo. Então simbora? 

Imagem de watch, world, and clock

  Pra quem não sabe, eu sou muito (repete o muito umas 4x) desorganizada e ultimamente tenho  tido problemas excessivos com a minha bagunça, procastinação e preguiça - o trio parada dura - , coisas que não mais se restringem a área dos estudos, porém tem atingido em seu nível máximo os meus relacionamentos, minha autoestima e minha comunhão com Deus, ou seja: Ferrô com a Bahia! Quando temos um problema o primeiro passo, dentro da teoria, é identifica-lo, pôr em prova, no entanto sempre tive, parcialmente, consciência da minha situação e tentava, as vezes, mudar e desistia no meio do caminho, pois não conseguia ver soluções imediatistas (e como estamos na época do imediato... Não sabia esperar pra ver). Mas - sempre há um mas - no fundo do buraco a necessidade da luz foi forte.
   Toda vez que eu tentava me organizar sempre recorria ao Vida Organizada (O blog da Thaís Godinho, lindo e maravilhoso!), mas sempre desistia, e dessa vez, depois de tantas vezes, me senti cansada, sabe? Sem esperança, com a síndrome de Gabriela: nasci assim, morrerei assim - ou melhor, defiarei assim, porém como já falei houve uma necessidade em ver luz na situação que me encontrava e fui aos poucos buscando a vontade de tentar mudar outra vez e voltei a ler o blog da Thaís, de novo? Sim de novo, do começo novamente, com os pés, talvez, um na frente, confiante, e o outro atrás vacilante, mas fui, li do começo, buscando força, peguei agenda (o foco da organização), comecei a anotar e hoje testei pela primeira vez a Técnica do Pomodoro e uou, uou, uou, uou: deu certo, foi incrível, resolvi coisas bem mais rapidamente, do que antes, e por hoje está aprovado, mas afinal o que é essa técnica? 
   É uma técnica desenvolvida para aumentar a produtividade, você trabalha através de blocos de tempos, cada bloco é chamado de Pomodoro que são 25 minutos que durante ele  você tenta focar em suas tarefas, sem interrupções. 

OBS: Muitos falam em uma única tarefa pra se executar durante os 25 minutos, mas antes de pôr o Pomodoro em prática é bom listar as coisas que você precisa fazer, logo ao terminar uma - antes do tempo cronometrado - você prossegue pra outra, então são várias atividades por tempo. Voltando...

   A cada um pomodoro você tem 5 minutos para descansar, isso é relativo: caso isso corte o seu envolvimento com a tarefa é melhor ignorar o cronometro e reseta-lo, para possuir mais 25 minutos. Durante meus intervalos aproveitei pra olhar minhas mensagens no WhatsApp. A cada quatro tempos, ou seja: 100 minutos, tem-se o direito de uma pausa de 30 minutos, o intervalo é necessário para a mente obter um descanso, de pomodoro a pomodoro nós cumprimos as nossas metas e daí vai. 
   A coisa que mais gostei ao usar esse método foi: foco! Lembra do trio parada dura lá do inicio do texto? Ele é combatido através do foco, se tenho um alvo preciso cumpri-lo, mas mesmo eu tendo um alvo consigo me distrair com meus pensamentos, com redes sociais... No entanto enquanto penso: "São só 25 minutos e depois irei descansar"consigo me esforçar mais durante aquele curto prazo, o método consegue aumentar a minha produtividade enquanto aumenta meu foco, tirando as minhas interrupções por segundo, e desfaz, também, a minha ansiedade para ver tudo feito. É um combo! 

  Fácil. Rápido, agora só preciso de disciplina - o meu outro problema - para repetir o pomodoro durante os dias, semanas, meses, até desenvolver em mim uma automatização sobre minhas responsabilidades e não ficar procrastinando os meus compromissos por infinitas horas na internet.

  Sempre escutei que Deus é um ser organizado, porque tudo há um tempo e até mesmo na criação Ele dividiu tudo certo, e tenho consciência que devo ser parecida com o meu Pai - filho de peixe, peixinho é - e tudo na vida que perdi, muitas vezes, foi por isso: por ser bagunçada e a rainha de procrastinar e nesse texto eu conto indiretamente uma das minhas guerras: o fazer, o sair do meu comodismo, ser menos preguiçosa, mais ativa, mais focada e determinada. Como hoje foi meu primeiro dia espero contar pra vocês a continuação dessa saga: eu e pomodoro, eu e meus outros pecados, e medos, e claro dos meus avanços diante a situação. Nunca fiz texto de "tutorial" - não que me lembre, então espero que gostem, e estou aberta as críticas. 

A porta está aberta, sente-se e voe comigo, conte-me se há alguma dificuldade em se organizar, se conhecia o método, se o texto foi bom.. Eu não sei, apenas expresse-se.

ps: a técnica de pomodoro pode ser mais detalhadas em outros blogs, coloquei aqui o que absorvi x minha experiência - o que é bom lembrar, o que é bom pra mim pode não ser pra você, pesquise sobre o método e o adapte conforme sua necessidade - e não conforme seu comodismo, por favor.

ps2: Obrigada a todos aqueles que me suportam antes da técnica do pomodoro, e me incentivam na minha fase organizada! (Viu, amor? <3)

Até a próxima. 



Obrigada Espírito Santo








SERNIX

by 09:59
Imagem de baby, child, and cute
Acorda do sono, Aurora! 


   Um bom filho a sua casa sempre retorna. E eu nasci de novo – afinal é fênix, sim ou não? Por inúmeros problemas  me mantive ausente, mas mesmo não sabendo o porque eu só sei que sinto, sinto uma necessidade imensa em falar, em ser ouvida – acredito que isso seja um sentimento universal. Nem sempre tendo oportunidades de falar, nem sempre querendo me expressar, nem sempre sabendo fazer o mesmo, resolvi voltar a blogar, pois já dizia o Teatro Mágico post é se libertar.
  Voltei e espero que seja pra ficar, volto com novas propostas, experiência, mais madura (e velha também! Oláarr crise dos 20!), e querendo falar (MUITO!) sobre os assuntos da Universidade, minha crise com a Língua Inglesa, minhas crises emocionais/existenciais, meus problemas organizacionais (são muitas coisas! RS). Tenho sentido que preciso conversar sobre assuntos que antes eu escrevia de forma subjetiva, o que acabava sendo muitas vezes superficial, e que cada um poderia interpretar conforme o desejado, e sem contar que ali era o sentimento exposto de uma forma que sofria influências literárias e meus filtros pessoais. Não vou parar de escrever de poesia: nem quero, mas vou abrir os leques no blog, como eu disse a algumas pessoas nos últimos tempos: “Ta na hora de contar meus pecados!”
  Hoje louvo a Deus por me dar esse amor a escrita e espero contar com vocês: é o mesmo voo, é a mesma fênix – com todas as questões de o rio não é sempre o mesmo, mas é sempre o mesmo rio. Sentem-se passageiros e que comecem os voos!

"18 Mas todos nós, com rosto descoberto, refletindo como um espelho a glória do Senhor, somos transformados de glória em glória na mesma imagem, como pelo Espírito do Senhor." (2 Coríntios 3:18)

 E claro, estou sempre aqui disposta a conversa com vocês!
Até a próxima – que espero que seja bem breve. 
EU TO DE VOLTA!

 “Que das minhas feridas sai poder curar e cada hora perdida me lembre que não é preu parar, até que a casa esteja cheia, até que Teu Reino venha e cada coisa esteja em Seu lugar.”

Obrigada Espírito Santo
Tecnologia do Blogger.