Geração perdida

by 23:27



   Tenho lido mais blogs ultimamente, um que gosto bastante é o da Francine, Graça em Flor, o outro comecei a ler essa semana que é o da Karina, ambos fizeram aumentar a minha paixão por fotografia, não somente fotos minimalistas, ou de casamentos, mas agora Fotografia em período de guerra, principalmente as fotos que expressam o sentimento do povo durante o conflito - isso me desperta. Essa semana a Ultimato postou sobre a Guerra da Síria e como a mesma atinge as crianças, aquilo me tocou, pensei "Vou falar sobre isso no blog" - mas são tantas informações que acabo me esquecendo -  abri o facebook ontem e outro texto falando sobre Guerra da Síria e crianças então: lembrei de novo. Hoje foquei (Oh! Aleluia!) fui em busca de fotografias de sírios para sacudir a nossa mente de alguma forma, pra que seja um alarme que nos perturbe, nos tire da comodidade e venhamos pensar: isso tá errado! 

O fotógrafo não apenas tirou as fotos, mas, também, escutou as histórias dessas crianças, Magnus Wennman representa em sua arte o nó da garganta a respeito das crianças Sírias que dormem nos portões da fronteira do país que representa a esperança. 

Abdullah, 5 anos, Belgrado, Sérvia 


where-children-sleep-syrian-refugee-crisis-photography-magnus-wennman-4

 Abdullah tem uma doença no sangue e segundo a sua mãe ele tem pesadelos toda noite, pois está  em choque após ter visto a sua irmã morrer na casa deles em Daraa. 

Shehd, 7 anos. 

where-children-sleep-syrian-refugee-crisis-photography-magnus-wennman-12

Ela que sempre amou desenhar, passou a desenhar armas, ela via tudo em todo o momento. Depois de sua família virar refugiada não houve se quer mais papel para desenhar. 

Walaa, 5 years old, Dar-El-Ias

where-children-sleep-syrian-refugee-crisis-photography-magnus-wennman-3

Walaa, uma criança síria de 5 anos, chora todas as noites onde dorme, no campo de refugiados, sua mãe frequentemente constrói uma casa de travesseiros para "protege-la" e ensinar que não tem o  temer.


Essas não são as primeiras fotos de sírios que vejo, essas são mais algumas no meu baú - e agora cravados no blog - para me perturbar. Essas crianças são como os nossos filhos, sobrinhos, netos, somos nós alguns anos atrás perdendo seu tempo de criança. Imagina para uma mãe ver seus filhos brigarem e ouvindo as suas palavras de ódio, um para o outro dizendo: eu vou decapitar você! ou ver a sua menina, a Shehd que amava desenhar - como eu! - mas que já não rabisca uma boneca, a casinha e a família, mas armas por todo lado, porque era somente essa a visão que tinha. A guerra na Síria essa semana fez 5 anos e cerca de 8,4 milhões de crianças nesse país estão sendo atingidas, cerca de 80% da população infantil. 

A TV não mostra isso.  

A guerra da Síria não começa e termina quando há um ataque a países europeus, ou ao EUA. Acontece uma Guerra há 5 anos, mas não nos cabe pensar que a crise dos refugiados tem matado, destruído e desolado as famílias - olha o olhar dessas crianças! Não nos cabe pensar que as crianças que ainda estão na Síria estejam se alimentando de Capim - teoricamente, porque as vezes come veneno, sem querer -, que os hospitais de lá estão 100% incompatíveis para cuidar de alguém, cada vez é mais comum morrer por doenças que poderiam rapidamente serem tratadas, como: raiva, problema de digestão, doença de pele. E na falta de curativos famílias andam sob os escombros em busca de restos de panos para fazer um curativa, e pra finalizar a fumaça das bombas causam problemas respiratórios a elas.

Você se importa com isso? 

O índice da idade das crianças que se envolviam nas guerras era de 15 anos para cima, mas esse numero fora reduzido a algum tempo, pois elas tem sido recrutadas para fabricar bombas, irem para guerra, e as meninas são obrigadas a casar para ajudar a situação da família, cada vez mais cedo perdendo a sua infância - assim como muitas perderam partes de seu corpo -, a Unicef deu o nome de "Geração Perdida".  A respeito da alimentação a matemática da comida não tem dado conta, as doações que chegam lá não tem suprido, crianças andam perambulando desnorteadas de fomes, e algumas, que tem de cinco anos para baixo, não sabem o que é maçã e outros tipos de alimentos, há uma extrema desnutrição por lá.

Houve uma ruptura muito grande na vida deles e eu fico tentando imaginar suas famílias, seus antigos hobbies, o que pensam quando veem aquela nuvem de fumaça cobrindo a janela ou quando sentem a voz dos pais trêmulas, mas com aquele tom de segurança "Vai ficar tudo bem!", no entanto nunca vou conseguir pensar nisso, só consigo olhar o olhar delas e me perder e pensar "Pra onde será que ela tá olhando? E o ela vê?" Eis a minha curiosidade, a BBC divulgou um vídeo onde as crianças falam sobre a guerra, não consegui postar diretamente, mas aqui está o link, acaba que expressando o lado delas.

É complicado, para mim, finalizar o texto, o que posso dizer? Só quero pedir uma coisa: não esqueça da existência dessas crianças - de toda a população Síria, mas hoje o foco vai para os pequeninos. Sim, entendo que o Brasil sofre crises de segurança e que possuímos, também, uma guerra, que vivemos em alto perigo, mas nessa semana como um memorial por esses 5 anos prontuosos o nosso texto é focado neles. 

Por favor, não se esqueça. 

No seu luto por essa causa vá a luta.

ORE! 


Mude seu dia ao lembrar da Síria e sua batalha. 

Se envolva com a causa.

Pesquise mais sobre eles - a mídia esquece, mas a internet é livre.

Só não esqueça deles. 

ORE
FALE 
VÁ! 

Mas não se esqueça deles - e Daquele que te chamou. Penso que assim como lá no Êxodo e o clamor do povo que chegou ao Senhor, assim também é nos tempos de hoje: Ele tem visto esse povo e os lamentos por eles, e deles, Deus não esquece. Mas nós precisamos ir - orando, espalhando, motivando, indo.

"Erga a voz em favor dos que não podem defender-se, seja o defensor de todos os desamparados."Provérbios 31:8 (NVI)

Aqui me despeço - espero voltar a falar de outras formas sobre esse assunto, fica ligado na página do blog e aqui também! ok? Até a próxima.
Maranata. 
Misericórida, 
Senhor.
Obrigada Espírito Santo.



REFERÊNCIAS

http://g1.globo.com/jornal-nacional/noticia/2016/01/criancas-famintas-na-siria-vao-receber-ajuda-humanitaria.html

http://www.ultimato.com.br/conteudo/guerra-na-siria-completa-5-anos-e-afeta-mais-de-8-milhoes-de-criancas

https://www.unicef.pt/siria/apelo_criancas_sirias.html

http://childrenofsyria.info/

http://www.boredpanda.com/where-children-sleep-syrian-refugee-crisis-photography-magnus-wennman/ (FOTOS COMPLETA  DAS CRIANÇAS SÍRIA DORMINDO)

http://www.bbc.com/portuguese/noticias/2016/03/160315_vale_este_siria_criancas_tg

Você pode ter acesso a fotos como essas no instagram do fotógrafo, e também no site que colocarei nas referências - lá há a ordem das histórias e tal, o único problema é que é em língua inglesa. 

instagram.com/magnuswennman/



Técnica de Pomodoro

by 22:31
  O assunto hoje é bem diferente, é uma dica do dia-a-dia que tenho aprendido, a Técnica de Pomodoro, sempre tem a primeira vez para algo novo. Então simbora? 

Imagem de watch, world, and clock

  Pra quem não sabe, eu sou muito (repete o muito umas 4x) desorganizada e ultimamente tenho  tido problemas excessivos com a minha bagunça, procastinação e preguiça - o trio parada dura - , coisas que não mais se restringem a área dos estudos, porém tem atingido em seu nível máximo os meus relacionamentos, minha autoestima e minha comunhão com Deus, ou seja: Ferrô com a Bahia! Quando temos um problema o primeiro passo, dentro da teoria, é identifica-lo, pôr em prova, no entanto sempre tive, parcialmente, consciência da minha situação e tentava, as vezes, mudar e desistia no meio do caminho, pois não conseguia ver soluções imediatistas (e como estamos na época do imediato... Não sabia esperar pra ver). Mas - sempre há um mas - no fundo do buraco a necessidade da luz foi forte.
   Toda vez que eu tentava me organizar sempre recorria ao Vida Organizada (O blog da Thaís Godinho, lindo e maravilhoso!), mas sempre desistia, e dessa vez, depois de tantas vezes, me senti cansada, sabe? Sem esperança, com a síndrome de Gabriela: nasci assim, morrerei assim - ou melhor, defiarei assim, porém como já falei houve uma necessidade em ver luz na situação que me encontrava e fui aos poucos buscando a vontade de tentar mudar outra vez e voltei a ler o blog da Thaís, de novo? Sim de novo, do começo novamente, com os pés, talvez, um na frente, confiante, e o outro atrás vacilante, mas fui, li do começo, buscando força, peguei agenda (o foco da organização), comecei a anotar e hoje testei pela primeira vez a Técnica do Pomodoro e uou, uou, uou, uou: deu certo, foi incrível, resolvi coisas bem mais rapidamente, do que antes, e por hoje está aprovado, mas afinal o que é essa técnica? 
   É uma técnica desenvolvida para aumentar a produtividade, você trabalha através de blocos de tempos, cada bloco é chamado de Pomodoro que são 25 minutos que durante ele  você tenta focar em suas tarefas, sem interrupções. 

OBS: Muitos falam em uma única tarefa pra se executar durante os 25 minutos, mas antes de pôr o Pomodoro em prática é bom listar as coisas que você precisa fazer, logo ao terminar uma - antes do tempo cronometrado - você prossegue pra outra, então são várias atividades por tempo. Voltando...

   A cada um pomodoro você tem 5 minutos para descansar, isso é relativo: caso isso corte o seu envolvimento com a tarefa é melhor ignorar o cronometro e reseta-lo, para possuir mais 25 minutos. Durante meus intervalos aproveitei pra olhar minhas mensagens no WhatsApp. A cada quatro tempos, ou seja: 100 minutos, tem-se o direito de uma pausa de 30 minutos, o intervalo é necessário para a mente obter um descanso, de pomodoro a pomodoro nós cumprimos as nossas metas e daí vai. 
   A coisa que mais gostei ao usar esse método foi: foco! Lembra do trio parada dura lá do inicio do texto? Ele é combatido através do foco, se tenho um alvo preciso cumpri-lo, mas mesmo eu tendo um alvo consigo me distrair com meus pensamentos, com redes sociais... No entanto enquanto penso: "São só 25 minutos e depois irei descansar"consigo me esforçar mais durante aquele curto prazo, o método consegue aumentar a minha produtividade enquanto aumenta meu foco, tirando as minhas interrupções por segundo, e desfaz, também, a minha ansiedade para ver tudo feito. É um combo! 

  Fácil. Rápido, agora só preciso de disciplina - o meu outro problema - para repetir o pomodoro durante os dias, semanas, meses, até desenvolver em mim uma automatização sobre minhas responsabilidades e não ficar procrastinando os meus compromissos por infinitas horas na internet.

  Sempre escutei que Deus é um ser organizado, porque tudo há um tempo e até mesmo na criação Ele dividiu tudo certo, e tenho consciência que devo ser parecida com o meu Pai - filho de peixe, peixinho é - e tudo na vida que perdi, muitas vezes, foi por isso: por ser bagunçada e a rainha de procrastinar e nesse texto eu conto indiretamente uma das minhas guerras: o fazer, o sair do meu comodismo, ser menos preguiçosa, mais ativa, mais focada e determinada. Como hoje foi meu primeiro dia espero contar pra vocês a continuação dessa saga: eu e pomodoro, eu e meus outros pecados, e medos, e claro dos meus avanços diante a situação. Nunca fiz texto de "tutorial" - não que me lembre, então espero que gostem, e estou aberta as críticas. 

A porta está aberta, sente-se e voe comigo, conte-me se há alguma dificuldade em se organizar, se conhecia o método, se o texto foi bom.. Eu não sei, apenas expresse-se.

ps: a técnica de pomodoro pode ser mais detalhadas em outros blogs, coloquei aqui o que absorvi x minha experiência - o que é bom lembrar, o que é bom pra mim pode não ser pra você, pesquise sobre o método e o adapte conforme sua necessidade - e não conforme seu comodismo, por favor.

ps2: Obrigada a todos aqueles que me suportam antes da técnica do pomodoro, e me incentivam na minha fase organizada! (Viu, amor? <3)

Até a próxima. 



Obrigada Espírito Santo








SERNIX

by 09:59
Imagem de baby, child, and cute
Acorda do sono, Aurora! 


   Um bom filho a sua casa sempre retorna. E eu nasci de novo – afinal é fênix, sim ou não? Por inúmeros problemas  me mantive ausente, mas mesmo não sabendo o porque eu só sei que sinto, sinto uma necessidade imensa em falar, em ser ouvida – acredito que isso seja um sentimento universal. Nem sempre tendo oportunidades de falar, nem sempre querendo me expressar, nem sempre sabendo fazer o mesmo, resolvi voltar a blogar, pois já dizia o Teatro Mágico post é se libertar.
  Voltei e espero que seja pra ficar, volto com novas propostas, experiência, mais madura (e velha também! Oláarr crise dos 20!), e querendo falar (MUITO!) sobre os assuntos da Universidade, minha crise com a Língua Inglesa, minhas crises emocionais/existenciais, meus problemas organizacionais (são muitas coisas! RS). Tenho sentido que preciso conversar sobre assuntos que antes eu escrevia de forma subjetiva, o que acabava sendo muitas vezes superficial, e que cada um poderia interpretar conforme o desejado, e sem contar que ali era o sentimento exposto de uma forma que sofria influências literárias e meus filtros pessoais. Não vou parar de escrever de poesia: nem quero, mas vou abrir os leques no blog, como eu disse a algumas pessoas nos últimos tempos: “Ta na hora de contar meus pecados!”
  Hoje louvo a Deus por me dar esse amor a escrita e espero contar com vocês: é o mesmo voo, é a mesma fênix – com todas as questões de o rio não é sempre o mesmo, mas é sempre o mesmo rio. Sentem-se passageiros e que comecem os voos!

"18 Mas todos nós, com rosto descoberto, refletindo como um espelho a glória do Senhor, somos transformados de glória em glória na mesma imagem, como pelo Espírito do Senhor." (2 Coríntios 3:18)

 E claro, estou sempre aqui disposta a conversa com vocês!
Até a próxima – que espero que seja bem breve. 
EU TO DE VOLTA!

 “Que das minhas feridas sai poder curar e cada hora perdida me lembre que não é preu parar, até que a casa esteja cheia, até que Teu Reino venha e cada coisa esteja em Seu lugar.”

Obrigada Espírito Santo
Tecnologia do Blogger.